"Você pode não gostar, não concordar e até se ofender com o conteúdo aqui escrito. Você pode se expressar livremente, pode argumentar e quiçá mudar a minha opinião, pois enquanto eu viver, não posso e não pretendo ser definitiva. O que você não pode é tentar me impedir de dizer o que penso. Porque, embora eu ache que estejamos muito perto da censura, ainda posso dizer o que eu penso e você ainda pode fechar a janelinha no seu computador."


quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Royalties Separatistas


Sou carioca, amo o Rio de Janeiro, realmente acho a cidade, maravilhosa. Mas, sobretudo, eu sou brasileira. Eu pertenço a uma nação. Sou brasileira do Brasil do baiano Dorival Caymmi, do gaúcho Érico Veríssimo, do acreano Chico Mendes. A população do Rio de Janeiro protestar contra a divisão dos Royalties, me deixou com vergonha. Mais vergonha senti, quando vi os que "encabeçavam" a gigantesca passeata (aproximadamente 150 mil pessoas). Pois é, o Ilustríssimo Governador Sérgio Cabral (guardem este nome), o Prefeito Eduardo Paes, o Deputado federal Anthony Garotinho e sua mulher, a prefeita de Campos, Rosinha Garotinho (piada pronta) e 150 mil imbecis. Ah, mas temos aqui imbecis importantes, verdadeiros Monstros Sagrados, como Fernanda Montenegro que proferiu: "não é uma mera disputa entre estados da federação e, sim, uma batalha por Justiça".Justiça, Sra. Fernanda Montenegro? A senhora está caducando! É melhor usar o palco com a sua arte (nós brasileiros, agradecemos). Caetano Veloso (porra, ele não é baiano?) disse: "mexeu com o Rio, mexeu comigo." e daí por diante, a coisa só piora. Xuxa (????), gaúcha, ressaltou:" Sou gaúcha, mas carioca de coração". O que significa isso? Carla Camurati, Tony Garrido, entre outros artistas. Realmente não consigo entender como uma pessoa que vive da arte, possa protestar contra qualquer divisão justa. O petróleo pertence ao Brasil, pertence a todos os estados, como qualquer outro produto extraído dentro do território nacional. O Rio de Janeiro ainda terá a maior parte, muito menos (não vou me ater aos números), mas ainda deterá a maior parte por ser um Estado produtor (e por isso estar sujeito aos riscos ambientais). Por que os outros estados não podem participar? Que raios de nação egoísta nós somos?Será que este tipo de comportamento individualista (do tipo: não mexam no meu bolso) é muito diferente do comportamento apresentado pelos nossos Parlamentares? O Governador Sérgio Cabral, quer manter a montanha de dinheiro, a mina de ouro, para continuar protegendo os cariocas, para continuar dando uma espetacular assistência médica à população, inclusive pagando muito bem aos profissionais da área; uma educação de qualidade exemplar (quanto ganha um professor?), enfim, para continuar o ótimo trabalho que tem feito e pelo visto o povo carioca está satisfeito, pois seguiram a marcha feito cordeirinhos. Ironicamente (a ironia é uma cretina impiedosa), os Bombeiros (lembra deles, Sr. Sérgio Cabral?) fizeram mais de 40 atendimentos durante o evento. Os mesmos Bombeiros que estiveram presentes na prestação de socorro quando o bonde de Santa Teresa descarrilou. Só lamento o palanque não ter sido montado em cima de um bueiro da light. Acho que neste caso eu até iria para ver o espetáculo. Marchar atrás de Sérgio Cabral é um insulto. Como queremos mudar o País, se somos segregadores? Ok, o dinheiro pode (e provavelmente vai) ser mal aplicado por interesses  escusos, mas o nosso papel é vigiar os recursos e a sua aplicabilidade e não impedir que eles sejam divididos. Ser brasileiro, não é cantar o Hino Nacional com brado retumbante em jogos de Copa do Mundo. Ser brasileiro é dizer não à injustiça, é ter bom senso e especialmente caráter (modo otimista acionado). Não podemos esquecer que o Congresso reflete o povo que tem. A passeata contra a Corrupção na Cinelândia, foi um verdadeiro fiasco, reuniu meia dúzia de gatos pingados enquanto a passeata pela disputa de quem-fica-com-o-quê reuniu este número alarmante de pessoas já citado (hum, acho que depois desta passeata muita coisa passa a fazer sentido). Somos uma nação culturalmente diversificada, mas é isso o que nos une, não que nos separa...Somos uma Nação, porra! (não resisti ao palavrão, rs)

6 comentários:

  1. Muito bem, gostei Juju Carioca, ainda mais do final, rsrsrsrs...

    ResponderExcluir
  2. Ju, concordo que essa passeata foi símbolo do egoísmo e da falta de espírito de nação. Por isso que, se eu estivesse de bobeira, eu não iria a essa merda. Iria para a praia, isso sim!

    ResponderExcluir
  3. pão e circo é o que queremos...de pão e circo é que vivemos...de pão e circo...morremos

    ResponderExcluir
  4. Não foi egoísmo! Foi um estado protestando contra o assalto cometido pelo Governo Federal. Se vocês tivessem um pouco de amor a RJ - os que são daqui - ou se conhecessem o RJ não falariam tanta bobagem. Somos tomados em todos os nossos direitos. Perdemos o ICMS (por isso, nos deram os royalties), o autódromo, a bolsa de valores. Fazem de tudo para acabar com nossa economia. Não há saco que aguente! SEPARATISMO JÁ!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Separatismo já" > a frase por si só já fala muita coisa..."Fazem de tudo para acabar com a nossa economia" > quem? Os Power Rangers? "Perdemos o ICMS (por isso nos deram os royalties)" > What??? Não vou comentar o absurdo desta frase. Assalto o Governo Federal faz todos os dias através da pesada carga tributária, aliás, não só o Federal. Se for para separar, peça logo a independência. Será que o Rio de Janeiro consegue viver sozinho? Este discurso é típico que quem não conhece economia, de quem não entende sobre soberanias, de quem compra ideias prontas sem saber do que se trata. Aconselho a ler direitinho do que se trata a emenda Ibsen. Os Estados produtores, ainda continuariam com a maior parcela, o que é justo, uma vez que os danos causados são absorvidos por eles.

      Excluir